12 June 2006

lírios


Exitem vários tipos de lírios. Eles podem ter origem na Ásia, na Europa ou na América do Norte. Existem algumas espécies dos trópicos e de regiões elevadas. Actualmente, todas as espécies existentes resulta do cruzamento entre si. Os lírios resultantes são chamados de lírios híbridos.

Os lírios pertencentes à família das Liláceas podem ser orientais, asiáticos ou longuiflorum. No grupo asiático pode-se encontrar Orange Pixie, no grupo dos orientais o muscadet e mona liza.


O lírio sempre foi visto como o símbolo da pureza e é uma das flores mais antigas do mundo. Pode ser encontrado em pinturas nas paredes dos palácios da Grécia Antiga, onde era dedicado à Hera.
Narra a mitologia, que a conselho de Minerva, Juno deu seu seio a Hércules, que havia sido abandonado no campo por Alcmene, sua mãe. O jovem herói teria sugado o seio com tanta força, que o leite esguichou em grande quantidade. As gotas que se espalharam no céu formaram a Via Láctea e as que caíram na terra transformaram-se em lírios.
O lírio é considerado mágico que têm poder contra a bruxaria.

3 June 2006

camélia

camellia japonica

A camélia é um arbusto formado por uma folhagem brilhante que se mantém firme durante todo o ano e floresce no Outono e Inverno. As flores de camélia podem ser brancas, rosadas ou vermelhas conforme o tipo. As flores colhidas podem durar vários dias, desde que não se toque nas pétalas. Quando tocadas, as pétalas da camélia cobrem-se de manchas castanhas.A camélia é da família das teáceas e de origem asiática, perto de Coreia. Geralmente, as camélias são resistentes, mas em condições extremas, pdem ser atacadas por pulgas e formigas. Quando existe uma acumulação da água das regas, podem surgir fungos que se apresentam na forma de manchas semelhantes à ferrugem nas plantas.

arco-íris

Um dia, as cores discutiam e cada uma dizia que era a mais bela, a mais importante e mais útil.
Verde disse:
-É óbvio que eu sou a cor mais importante. Eu sou a o símbolo da vida e da esperança. Fui escolhida para dar cor às folhas, árvores e ervas. Se eu não existisse, nenhum animal existiria. Olhem para as aldeias, vê-se de longe que sou a cor mais importante.
Azul interrompe:
-Só pensas na terra, mas pensa no céu e no mar. A vida provém do mar. O céu deu-nos paz, sem a paz que é meu, que seria de vós?
Amarelo ri-se:
-Vocês são demasiado sérios para mim, eu trago alegria e felicidade. O Sol e a lua são amarelos e as estrelas também o são. Sempre que olhas para um girassol, o mundo sorri. Se eu não existisse, inde estaria a alegria?
Laranja começou a gabar-se:
-Sou a cor da saúde e da energia. Posso ser uma cor rara, mas sou preciosa. Ajudo os Homens. Pensem na cenoura, na abóbora e na laranja! Não apareço por toda a parte, mas ao nascer a ao pôr do Sol, a minha beleza é tão penetrante..., quem é se importa convosco?
Vermelho disse impaciente:
-Nããã, eu sou sangue---- sangue da vida! Sou a cor do perigo e da audácia. Luto pela justiça. Se eu não existisse, a Terra seria tão vazia quanto a Lua. Sou a cor do afecto, do amor. Pensem na rosa!...
Púrpura endireitou-se. Era alto e tinha uma voz brilhante:
-Sou a cor da realeza e do poder. Reis, líderes e padres sempre me escolheram, porque sou o símbolo do poder e da inteligência. As pessoas não me fazem perguntas, ouvem-me e obdecem.
Por fim, ciano(azul esverdeado) falou. Ele era o mais calado de todas as cores, mas era tão firme quanto todos os outros:
-Pensem em mim, sou a cor do silêncio. Vocês não reparam em mim, mas se eu não existisse, vocês seriam todos superficiais. Eu simbolizo o pensamento e a razão, simbolizo a madrugada e as profundezas. Vocês presicam de mim para se equilibrarem, para se compararem, para rezarem e para poder ter paz.
Todas as cores não paravam de se gabar, todos achavam que eram prioritários. A discussão era cada vez maior. De repente, um relâmpago iluminou os ares, trovôes seguiam-se e a chuva caía. As cores estavam assustadas, aproximaram-se uns dos outros para poderem procurar abrigo. Ao som da trovoada, a chuva falou:
-Que cores mais parvas a discutirem entre si! Será que vocês não sabem que foram escolhidos para um fim especial? Um objectivo único, diferente de todos. Dêem as vossas mãos e venham.
As cores obedeceram.
A chuva continuou:
-A partir de agora, depois de chover voc~es vocês vão fazer um arco que atravesse o céu, lembrando que vocês podem viver em paz e juntos. O arco--íris lembra-nos de que o Amanhã está cheio de esperança.
Sempre depois da chuva que limpa as impurezas do mundo, podemos ver um arco-íris, para nos lembrarmos de apreciar os outros.

Amor

A Loucura resolveu convidar os amigos para tomar um café. Todos os convidados foram. Após o café, a Loucura propôs:
-Vamos brincar ao esconde-esconde?
Esconde-esconde? O que é isso? -perguntou a Curiosidade.
Esconde-esconde é uma brincadeira.
Eu conto até mil e vocês escondem-se.
Ao terminar de contar, eu vou procurar, e o primeiro a ser encontrado será o próximo a contar.
Todos aceitaram, menos o Medo e a Preguiça.
-1,2,3,... - a Loucura começou a contar.
A Pressa escondeu-se primeiro, num lugar qualquer.
A Timidez, tímida como sempre, escondeu-se na copa de uma árvore.
A Alegria correu para o meio do jardim.
Já a Tristeza começou a chorar, pois não encontrava um local apropriado para se esconder
A Inveja acompanhou o Triunfo e escondeu-se perto dele debaixo de uma pedra
A Loucura continuava a contar e os seus amigos iam-se escondendo.
O Desespero ficou desesperado ao ver que a Loucura já estava em nove centos noventa e nove
- MIL! - gritou a Loucura. Vou começar a procurar
A primeira a aparecer foi a Curiosidade, já que não aguentava mais, queria saber quem seria o próximo a contar.
Ao olhar para o lado, a Loucura viu a Dúvida em cima de
uma cerca sem saber em qual dos lados ficar para melhor se esconder. E
assim foram aparecendo a Alegria, a Tristeza, a Timidez....Quando estavam todos reunidos , a curiosidade perguntou:
-Onde está o Amor?
Ninguém o tinha visto. Nada do Amor aparecer.
Procurando por todos os lados, a Loucura viu uma roseira, pegou num pauzinho e começou a procurar entre os galhos, quando de repente ouviu um grito.
Era o Amor, gritava por ter picado o olho com um espinho.
A Loucura não sabia o que fazer. Pediu desculpas, implorou pelo perdão do Amor e até prometeu segui-lo para sempre.
O Amor aceitou as desculpas.
A partir daí, o Amor é cego e a Loucura acompanha-o sempre.